CIRCUITO INTERNACIONAL DE VILA REAL: UMA VIAGEM NO TEMPO PELO CIRCUITO MAIS ANTIGO DO PAÍS

A capital transmontana é um destino indissociável da história do desporto automóvel nacional, tendo sido o ponto de partida de alguns dos primeiros campeões e lendas da modalidade, alavancando Portugal no panorama das grandes corridas internacionais e colocando os holofotes mediáticos nesta região do Douro.

Uma narrativa que nasceu durante a segunda década do século XX, quando um grupo de apaixonados pela adrenalina dos desportos motorizados começa a organizar algumas gincanas, pequenas perícias de automóveis, concursos de elegância e feiras de automóveis, que imediatamente começam a atrair a atenção e entusiasmo do público.

Eram assim lançadas as bases para o arranque oficial, a 15 de junho de 1931, da primeira edição do Circuito Internacional de Vila Real, organizado pela mesma comissão de pessoas que coordenava as Festas da Cidade.

Com uma extensão de 7.150 Km, o percurso contemplava 20 voltas que os 10 pilotos presentes na primeira prova vilarealense teriam de cumprir, o que perfazia um total de 143 quilómetros, e que viria a ser ganha por Gaspar Gameiro.

Um início marcado por alguns constrangimentos, uma vez que um dos grandes problemas do circuito era o pó causado pelo piso de terra batida, com os problemas de visibilidade inerentes.

O ímpeto inicial continuaria até 1939, ano em que as corridas foram, forçosamente, interrompidas devido ao começo da 2ª Grande Guerra. Apenas 10 anos depois Vila Real voltaria a receber a ser palco de provas de automobilismo, regressando apenas em 1949.

Após se consolidar além-fronteiras, Vila Real recebe grandes nomes do automobilismo internacional, como Nicha Cabral, David Piper e Sir Stirling Moss que deixam o público ao rubro com a sua prestação e das respetivas máquinas.

Em 1966 a emoção regressa a Vila Real, com os Turismos e Fórmulas a serem os reis das Corridas, e a velocidade média a ser colocada na fasquia dos 152.570 kms/h.

Posteriormente, as corridas mantiveram-se até 1991, ano em que um trágico acidente vitimou 4 espectadores, levando à suspensão das corridas, que voltaram em 2007, durando até 2010 com a pista a conhecer um novo traçado. suspensão das corridas.

Nestes anos de regresso, as provas conheceram um enorme sucesso fazendo lembrar os anos dourados do Circuito, acolhendo provas nacionais de Clássicos, Resistência, Taça de Portugal de Circuitos, entre outras.

Este ano foram assinalados os 10 anos do regresso do circuito a Vila Real, depois de anos de interregno. O cartaz desportivo do Auditiv Circuito Internacional de Vila Real incluiu seis provas, duas delas internacionais: o Trophée Legende, com carros clássicos da época pré-guerra e ainda o Classic Endurance Racing 1 e 2, provas organizadas pela Peter Auto.

Por Vila Real têm passado ao longo dos anos diversos bólides históricos, deixando boquiabertos todos os presentes no circuito. Este ano destacaram-se os modelos pré-guerra, incluindo o Felcom, exemplar que correu na primeira edição de sempre do circuito, em 1931.

O grande vencedor desta categoria foi Thierry Stapts, ao volante de um Bugatti T35 de 1926, um piloto experimentadíssimo que corre habitualmente no Mónaco ou em Pau, França.

Fotos: Tiago Soares da Costa