Inquérito FFVE

Talvez fosse tempo de se realizar algo de semelhante em Portugal… Enquanto tal não acontece e uma vez que a realidade dos Clássicos não difere muito entre os países europeus, damos aqui conta dos resultados do inquérito levado a cabo pela Fédération Française des Véhicules d’Époque (FFVE) sobre o panorama actual dos Clássicos em França.

A FFVE (congénere do CPAA enquanto Autoridade Nacional da FIVA para o respectivo país) tem já uma vasta tradição de realizar inquéritos aos proprietários de Clássicos.

São muitas as conclusões a retirar dos resultados publicados (fruto das respostas de mais de 30 mil proprietários), a começar pelo optimismo quanto ao futuro, uma vez que 46% dos inquiridos pensa que em 2040 continuará a ser permitida a circulação de Automóveis Antigos, uma vez que estes pouco circulam (segundo o inquérito, em média menos de 1.000km ao ano) e, por consequência, estão longe de ser das principais fontes de poluição.

A grande maioria (81,5%) dos coleccionadores está de acordo que a classificação de “Veículo Histórico” seja mantida nos 30 anos de antiguidade, sendo que responderam  serem os seus eleitos os automóveis com mais de 30 anos e menos de 50 (a escolha de 54,4% dos inquiridos), havendo 29,7% que pensa adquirir um automóvel com entre 20 e 30 anos de antiguidade e apenas 15,9% diz estar a pensar comprar um automóvel com mais de meio século.

Os coleccionadores que responderam à Enquête 2017 da FFVE são proprietários de cerca de 100 mil veículos, sendo que um terço apenas tem um Clássico, e 52,6% declarou ter entre duas e cinco viaturas.